Páginas

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Sob A Luz do Deserto


A primeira coisa de que me lembro é o sol quente queimando meu rosto e ofuscando minha vista. Meus pés doíam, como se eu já tivesse andado por quilômetros. Pois é, esta é a questão, eu não me lembrava de nada.

A pior coisa que pode acontecer com alguém é não lembra-se de nada. Acrescenta-se a isso um imenso deserto, que bem poderia estar em qualquer parte e pronto! A receita perfeita para a melhor – ou pior! - forma de estar perdido.

A questão era grave. O fato é que, não bastasse não ter a mínima ideia de onde estava e de como fora parar ali, também não lembrava sequer quem eu era. Nada. Nenhum resquício de qualquer lembrança que me ajudasse a ter uma pista de quem era esse ambulante cercado de todos os lados por um imenso deserto.

Estava tão cansado… Sentia dores localizadas em diversas partes do corpo. Em algumas delas acompanhavam manchas arroxeadas. 

Como diabos eu fora parar ali? E por que?

Quem era eu?

E se eu fora colocado ali para morrer? De repente, vai ver eu tinha me metido com algum tipo de máfia e que agora me cobrava o preço de alguma atitude imbecil.

Não dava. Qualquer história poderia preencher a lacuna, mas nenhuma delas fazia qualquer sentido.   Aliás, não creio que qualquer coisa possa fazer algum sentido, quando não se sabe sequer o próprio nome.

Continuei andando. Não me restavam muitas opções. Ou eu continuava andando, ou ficava ali, torrando naquele sol insuportável.

Havia alguns amontoados de rocha não muito distantes e que poderiam me oferecer alguma sombra, pelo menos enquanto o sol estivesse a pino.

Não foi difícil encontrar uma fenda com alguma sombra. Não era lá essas coisas, mas era profunda o bastante para proteger-me do calor excessivo e estava bom assim. Era isso, ou o sol queimando a “mufa”.

Tentei lembrar alguma coia, forçando a memória, mas o máximo que consegui foram pequenos flashes sem sentido.

Fiquei ali, esperando o sol baixar um pouco e descansando meus pés, os quais já libertara dos sapatos.

Por algum tempo tentei lembrar de alguma coisa, mas logo percebi que fazer força não era o melhor caminho; o único resultado foi uma dor de cabeça bem chatinha, que veio se juntar aos demais incômodos que me torturavam lentamente.

O silêncio, que muitas vezes almejamos, tornava-se supremo naquele meio de nada. Sua supremacia era tão poderosa, que chegava a incomodar; não havia o mais simples ruído. Nada. Mas eu estava tão cansado e incomodado com o calor, que mesmo opressor, o silêncio fazia parte do refrigério proporcionado por aquele buraco sombreado na rocha.

Procurei relaxar ao máximo para aproveitar e tentar recuperar as forças. Estranhamente não estava com sede. Fechei os olhos e concentrei-me no vai e vem da respiração.


Acordei sobressaltado com um uivo distante que, à princípio, não tive certeza se fora parte de um sonho, ou realmente acontecera; mas, em seguida, novo uivo veio a confirmar a realidade.

Levantei-me com certa dificuldade, sentindo algumas dores nas articulações; nada anormal; aquela fenda estava muito distante do conceito de cama.

O deserto permanecia silencioso, a não ser pelo ocasional uivo do coiote.

Continuava sem lembranças. Nem flashes, nem nada. O sono não gerou sonhos que pudessem me dar uma pista.

A noite estava escura, muito escura. A via-láctea enfeitava o céu, como uma pintura de Van Gogh.

Notei que estava sentindo frio, não pela sensação em si, que ainda não tinha dado-me conta, mas porque minhas mãos e meus lábios tremiam, o que logo se espalhou por todo o corpo.

Esfreguei os braços procurando algum alívio, enquanto olhava ao redor, tentando identificar algum graveto, já pensando em acender uma fogueira, mas a noite estava escura demais e mal podia ver minhas próprias mãos diante do rosto.

Comecei a saltitar na esperança de que o exercício gerasse algum calor, mas o frio era muito intenso e logo ainda estava gelado e, agora, também cansado. 

Estava consciente de que precisava fazer alguma coisa, ou aquela noite seria minha última noite, mas não conseguia pensar direito; o frio estava avançando rapidamente.

Caí de joelhos.

A respiração estava difícil.

Senti algo chocar-se contra meu corpo. Alguma animal, talvez…

Algo arranhava meu rosto. Parecia… areia. Dei-me conta de que nada se chocara realmente contra mim; tomado pelo frio devorador, não me dei conta de que caíra de vez. O baque que senti fora de meu corpo atingindo o solo arenoso.

Estava morrendo.

Já quase não sentia meu próprio corpo. Começava a entrar num estado, onde as coisas eram incertas e já não sabia se dormia ou delirava. Não dava para confiar mais em meus sentidos.

Uma luz… Talvez. Não sabia. Talvez estivesse delirando de fato.

Uma sombra na luz; uma mancha crescente; algo disforme e crescente.

Já não conseguia manter os olhos abertos. Piscava lentamente.

A mancha escura crescia na luz, tomando finalmente forma. Parecia alguém, um ser humano que se aproximava.

Senti-me flutuar. Já não sentia a areia no rosto.

Movimento. Delirava? Não. Movimento, sim.

Ah… Tanto sono…

Não resisti. Mergulhei na escuridão. Perdi os sentidos.


Vozes.

Não entendo o que dizem.

Alguém me observa. Não consigo ver direito; parece um sonho. Imagens vem desconexas, formando histórias absurdas em minha mente delirante.

Não sei quanto tempo fiquei assim, perdido entre sonho e consciência. Nada fazia sentido. Eu só queria que esta confusão dispersasse e pudesse dormir em paz, sem delírios, sem sonhos. Nada.

- Você ficará bem. - Alguém disse. Ou pareceu dizer.

Voltei à escuridão do sono profundo.

Senti um suave carinho em meu rosto, cujo frescor era alento delicioso. Tive receio de abrir os olhos e tudo parar, mas a curiosidade falou mais alto.

Deitado numa chaise, era acariciado pela suave brisa, cujo perfume era indefinível. Ao meu redor, uma enorme varanda de detalhados e delicados afrescos. Diante de mim, uma visão exuberante de enormes fiordes decorados de inúmeras e distantes cachoeiras, cujas águas atiravam-se vertiginosa e lentamente rocha abaixo.

Uma mesa de cristal estendia-se a meu lado, repleta de diversas frutas e iguarias que não conhecia.

Lembrei-me do deserto e pareceu-me uma lembrança distante. Apenas uma lembrança.

Um repentino esvoaçar de seda, porém suave e harmonioso em seus movimentos, prenunciou a chegada sobrenatural de uma linda mulher, mas que não parecia uma mulher com se espera. Sua pele extremamente branca e delicada, seus olhos de um tênue azul quase branco e seu sorriso confortador, emoldurados por comprida e sedosa cabeleira branca como a neve, davam-lhe o aspecto de um anjo ou uma deusa de um panteão há muito esquecido pelos homens.

Ela segurou meu rosto estático, numa expressão de fascínio, entre suas delicadas mãos e seu olhar pareceu penetrar-me os mais profundos recônditos de minha alma.

 – Joriel… Que estrela te mantém cativo do véu de Ísis?

Eu não sabia o que dizer. Mergulhado entre fascínio e confusão, mal conseguia discernir as coisas, entào não havia como escolher palavra; apenas continuei olhando em seus tenros olhos.

 – Não importa, por hora. Fico feliz em recebê-lo de volta de teu exílio.

Ela abraçou-me e tudo mais não importava. Senti-me envolto pelo total conforto, que preencheu-me até a alma e que somente o amor verdadeiro torna possível.

E já não importavam desertos, memórias, nomes… Já não importavam vida ou morte. Eu só queria continuar ali, no aconchego daquele abraço atemporal, como se o fim fosse apenas uma quimera e aquele momento jamais se perdesse no tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário